terça-feira, 24 de março de 2009

Se partires, não me abraces

0uCo2H3946T8xh5HgzrLWlH2w_WaM2Wl-1xyy8N_YdA7kfbol8VoRily5nmY4D_nF1W-V8EAQXs6_P3-NndV7Sas--AyL4Mdi2AnWKrl7gPhsZwSnTYyqKP5hzFAvcVJZqVSQwCcX5ZOAy9RWjnTNUNWBe1p

Se partires, não me abraces - a falésia que se encosta
uma vez ao ombro do mar quer ser barco para sempre
e sonha com viagens na pele salgada das ondas.

Quando me abraças, pulsa nas minhas veias a convulsão
das marés e uma canção desprende-se da espiral dos búzios;
mas o meu sorriso tem o tamanho do medo de te perder,
porque o ar que respiras junto de mim é como um vento
a corrigir a rota do navio. Se partires, não me abraces -

o teu perfume preso à minha roupa é um lento veneno
nos dias sem ninguém - longe de ti, o corpo não faz
senão enumerar as próprias feridas (como a falésia conta
as embarcações perdidas nos gritos do mar); e o rosto
espia os espelhos à espera de que a dor desapareça.


Se me abraçares, não partas.


Poema: Maria do Rosário Pedreira (1959)

7 comentários:

LopesCa disse...

Bonito
"Se me abraçares, não partas." :)

Meg disse...

Anamarta,

Gostei imenso deste poema...

" Quando me abraças, pulsa nas minhas veias a convulsão
das marés e uma canção desprende-se da espiral dos búzios;..."

Lindíssimo!

Um abraço

Carminda Pinho disse...

O perfume...o perfume nunca mais se esquece, não.
Muito bonito.

Beijos

peciscas disse...

Tenho pena de ter de confessar que só recentemente descobri esta grande poeta que á a Maria do Rosário Pedreira. E, em parte, devo essa descoberta à Aldina Duarte.
Ou seja, o fado continua a prestar grandes servoços à nossa cultura.

j. monge disse...

Lindíssimo poema de uma das minhas poetas preferidas.
Bela escolha...

Vieira Calado disse...

Quando alguém nos abraça como deve ser ser... é certo que não parte nunca, do nosso coração.


Bjs

Isamar disse...

Maria do Rosário Pedreira é uma das poetas contemporâneas vivas que mais aprecio.
Bem-hajas por tê-la recordado e por me teres trazido o mar.

Beijinhos

Bem-hajas!