segunda-feira, 20 de abril de 2009

Vampiros

jose_afonso

No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas Pela noite calada
Vêm em bandos Com pés veludo
Chupar o sangue Fresco da manada

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [Bis]

A toda a parte Chegam os vampiros
Poisam nos prédios Poisam nas calçadas
Trazem no ventre Despojos antigos
Mas nada os prende Às vidas acabadas

São os mordomos Do universo todo
Senhores à força Mandadores sem lei
Enchem as tulhas Bebem vinho novo
Dançam a ronda No pinhal do rei

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

No chão do medo Tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos Na noite abafada
Jazem nos fossos Vítimas dum credo
E não se esgota O sangue da manada

Se alguém se engana Com seu ar sisudo
E lhe franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada

Zeca Afonso

18 comentários:

Anónimo disse...

Os Vampiros!!!Eles Pairam por aí!!!

peciscas disse...

Quantas vezes cantei esse hino, numa altura em que nos punham mordaças na voz.
E tive o privilégio de ouvir o próprio Zeca,quando ele regressou de Angola, por exemplo, numa pequena sala da Faculdade de Letras do Porto, sempre a olhar para a porta, por onde poderiam entrar, a cada momento, os "senhores do medo".
O Zeca foi um exemplo de dignidade artística e humana.
Mas o que é certo é que os vampiros ainda andam à solta. Por isso, o Zeca ainda faz cá falta.

alcinda leal disse...

Por tudo isso temos que manter Abril
vivo!
Boa semana,bom 25 de Abril!
Alcinda

LopesCa disse...

Infelizmente a música está muito actual ;)

lagartinha disse...

Vim deixar beijinhos. Gosto de algumas coisas de Zeca Afonso, mas não de todas e comecei a gostar mais quando consegui "tirar a parte política"...um dia explico.
Beijocas

j. monge disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
j. monge disse...

Uma grande canção.
das primeiras coisas que aprendi a tocar quando era puto.

dia 25 lá estaremos, com o Zeca, pois claro!

F Nando disse...

Eles continuam aí!
Infelizmente uma canção cada vez mais actual.

Meg disse...

Anamarta,

Tenho tido muita dificuldade em entrar no teu blog, em abrir, não imagino porquê e as actualizações também não aparecem na minha lista de blogs que recomendo, por isso fica sempre no fim. Coisas de PCs!

Sobre o Zeca... que dizer?
Olha se ele cá estivesse teria muito que dizer... que compôr.
Porque parece que o tempo voltou para trás, Anamarta.


Um abraço

Vieira Calado disse...

25 de Abril

Sempre!

Bjs

Carminda Pinho disse...

Viva o 25 de Abril!

Beijinho Ana.

Odele Souza disse...

Passei para deixar um abraço nesse 25 de Abril tão significativo para vocês portugueses, gente que amo.

Maria disse...

Reencontrei-te... E que dia bom para ter acontecido...

Deixo um abraço forte e um cravo Vermelho

elvira carvalho disse...

Longe na altura não vivi nada da alegria de que falam, no 25 de Abril, antes outras preocupações.
Não concebo uma vida feliz sem Liberdade, e sei bem como era antes do 25 de Abril.
Mas Liberdade sem pão, também não faz ninguém feliz e vejo como vive grande parte do país.
Penso que os objectivos do 25 de Abril, ficaram só pela metade, e mesmo essa metade, vejo-a cada dia mais ameaçada, pelos falsos democratas que nos governam.
Um abraço e bom fim-de-semana

Isamar disse...

Amiga, o Zeca foi um amigo grande e que nessa qualidade permaneceu sempre em nossa casa, no nosso coração, na nossa mente.
Lamento que tenha partido tão cedo, tal como outros que tanto tinham para nos dar.
Continuemos sempre alerta pelas conquistas de Abril. Quão duras foram!

Beijinhos

Bem-hajas!

Cöllyßry disse...

Gostei de recordar, belo espaço...

Beijitos

lagartinha disse...

Passei para deixar um olá
Beijinhos

Fernando Santos (Chana) disse...

Oá Ana Marta, bela canção de Zeca Afonso...Espectacular....
25 DE ABLI SEMPRE....
Beijos